A Cistite nos gatos

23/02/2018
por Renata Brunelli
A Cistite nos gatos

É muito comum casos de cistite nos felinos, e pode ser causada por uma série de fatores diferentes. Ao contrário do que se imagina, esta doença nos gatos raramente é causada por bactérias; geralmente está relacionada a outros problemas, como obesidade, diabetes, stress, tumores, pedra na bexiga, pouca ingestão de água e uma dieta composta exclusivamente por rações secas e de má qualidade.

 

Sintomas da cistite felina

 

Conhecer os sintomas é muito importante para a prevenção e o tratamento antecipado. Se um gato estiver sofrendo de infecção urinária, poderá ser não apenas muito doloroso, como também mortal. Os sinais são bastante característicos, incluem a diminuição da quantidade de urina, dificuldade e ardência ao fazer xixi, sangue e odor forte na urina do animal, além da periuria, quando o animal passa a urinar fora da caixinha de areia, situação bastante incomum entre os felinos.

 

Confira algumas dicas importantes para evitar e tratar a cistite:

 

- Estimular a ingestão de água - alguns gatos preferem tomar água parada, então alguns potinhos de água espalhados pela casa são suficientes; no entanto, a maioria prefere água corrente, sendo necessário o uso de fontes para gatos. A quantidade de potes de água é crucial para a boa manutenção da saúde dos felinos, sendo indicada pelo menos uma para cada gato da casa.

 

- Estimular a micção (fazer xixi) – a quantidade de caixas de areia deve variar de acordo com a quantidade de gatos, e mantê-la sempre limpa é essencial.

 

-  Alimentação – Rações de baixa qualidade e alimentação não adequada, como alimentos humanos, podem estimular problemas urinários.

 

- Estresse – Os gatos são animais independentes e suas vontades devem ser respeitadas; alguns gatos preferem ficar sozinhos, outros não aceitam a presença de visitas. Fique atento e preserve seu bichano de situações incômodas para ele, ajeitando um cantinho em um local que ele possa ficar mais à vontade.

 

Na maioria das vezes o tratamento é através de antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios, entretanto, há casos em que até mesmo antidepressivos e ansiolíticos podem ser recomendados, normalmente em ocasiões em que a causa do problema tem origem psicológica.

 

Ao notar os sinais característicos do problema, é importante consultar um profissional veterinário. Em caso de crise aguda, quando o sintoma chega de surpresa, Meu Pet Protegido tem a assistência emergencial com todos os cuidados necessários para socorrer o seu bichano e dar fim a esta complicação.


Banner Blog

Loading...