A Coccidiose em Cães e Gatos

26/07/2019
por Renata Brunelli
A Coccidiose em Cães e Gatos

A coccidiose é uma doença causada por protozoários, um grupo de parasitoses de extrema importância nos animaizinhos domésticos, sendo reputado como um dos mais frequentes problemas de saúde animal. Algumas espécies contaminam cães e gatos, e podem atingir inclusive os seres humanos.

Vale lembrar que mesmo não sendo uma enfermidade grave, a coccidiose precisa de tratamento para não evoluir a um caso mais grave.

O que é a coccidiose?

A coccidiose canina ocorre quando alguns protozoários são ingeridos pelo hospedeiro e passam a viver na parede do intestino do Pet, alterando o funcionamento do órgão.

Em cães, os parasitas que mais causam a coccidiose são espécies de Cystoisospora, todos com manifestações clínicas bastante similares entre si.

Como ocorre o contágio?

A coccidiose canina é causada por um protozoário que adentra o corpo do hospedeiro, ocasionando infecção gastrointestinal. Esse hospedeiro pode ser classificado em intermediário ou definitivo.

O hospedeiro intermediário é aquele que ingere água ou alimento contaminados, sendo apenas um corpo para multiplicação por divisão binária do protozoário. Enquanto o definitivo é o ser que consome a carne do hospedeiro intermediário com oocistos, tendo seu corpo infestado pelo parasita que se reproduz continuamente.

Um exemplo disso seria um gato que se alimenta de um rato contaminado, de modo que o felino se torna o hospedeiro definitivo.

Na maioria dos casos, animais domésticos são hospedeiros definitivos. O contágio ocorre por meio do contato com oocistos (“ovos” dos parasitas).

Nos filhotes, a coccidiose em cães é transmitida por meio da placenta, enquanto ainda são fetos, ou pela amamentação. No entanto, a contaminação mais comum a esses e outros animais de qualquer idade acontece quando oocistos são ingeridos pelo hospedeiro por meio da alimentação ou água.

Além disso, outra forma de contágio frequente é durante a exploração do ambiente, quando o seu bichinho de estimação fareja o local enquanto passeia. Isso porque o solo pode estar infectado com oocistos que infectam os cães.

Em seguida, os “ovos” dos parasitas se alojam nas células intestinais do cachorro e dão início a um ciclo interminável que só pode ser encerrado com o uso de medicamentos e bons cuidados.

A coccidiose infecta humanos?

As espécies de protozoários que mais infectam os cães não são transmitidas para humanos, mas podem infectar os demais cachorros da casa.

Há, no entanto, algumas espécies de coccídeos que podem contaminar cães, gatos e humanos (não são específicos de só um hospedeiro). Felizmente, essas espécies são mais raras em animais domésticos.

Quais são os sintomas da coccidiose em cães?

Quando um cão entra em contato com um oocisto, o parasita se instala nas paredes do intestino do cachorro e ali passa a se reproduzir. Isso pode gerar diversos problemas no ciclo intestinal do pet, como:

  • Diarreia mucosa;
  • Sangue nas fezes;
  • Vômito;
  • Desidratação;
  • Apatia e cansaço;
  • Diminuição do apetite.

É importante destacar que nem todos os cachorros infectados pelo protozoário apresentarão manifestações clínicas. Geralmente, Pets fortes e saudáveis podem viver com o parasita sem apresentar nenhum sintoma.

Já filhotes, cachorros mais velhos ou com imunidade baixa costumam ser mais suscetíveis. Para eles, a doença é ainda mais perigosa se não for tratada corretamente.

Diagnóstico e tratamento

A coccidiose tem cura e, por isso, ao notar que o intestino do seu cão está desregulado, procure um veterinário. O médico saberá identificar a doença e receitar o melhor tratamento, de acordo com as características do organismo de seu amigo.

Geralmente, são necessários exames de fezes para detectar a presença dos oocistos do protozoário. O tratamento pode variar de acordo com a intensidade da doença. Mas, geralmente, inclui antiparasitários, desinfecção ambiental e medicamentos para alívio dos sintomas.

Para prevenir a coccidiose não há muito segredo. Uma boa vermifugação deve manter o Pet longe da contaminação por protozoários. A limpeza diária do ambiente, além de uma fonte de água potável e de boa procedência também ajudam a evitar a doença.

A autoinfecção é muito comum: o pet elimina oocistos pelas fezes e entra em contato com eles novamente. Portanto, é necessário cuidado extra com a limpeza de caminhas e quintais durante a recuperação do animal.


Banner Blog

Loading...