Anestesia em animais: dicas e cuidados

22/02/2019
por Renata Brunelli
Anestesia em animais: dicas e cuidados

Toda cirurgia, seja em cães, gatos ou outros animais, precisa ser feita através de uma anestesia, para que o bichinho não sinta dor. Isso vai desde uma limpeza dentária até a retirada de um tumor, por exemplo. É a anestesia que vai ser a responsável por deixar o pet inconsciente e sem sentir dor por todo o procedimento. Porém, nem todo pet recebe o mesmo tipo de anestesia. Ela é decidida de acordo com a idade do bichinho, o tipo de procedimento a ser feito e a duração da cirurgia.

A anestesia pode ser feita tanto por via inalatória, quanto por via injetável. Além disso, pode ser local ou geral. A anestesia geral é quando o medicamento aplicado faz com que o pet perca a consciência, não sinta a dor causada durante a cirurgia, causando relaxamento muscular e ausência de reação de defesa. Com tudo isso, o pet fica quietinho, sem sentir dor alguma, como se estivesse dormindo profundamente, até que a cirurgia acabe.

Já a anestesia local é um pouco diferente. O fármaco aplicado atua somente em determinada região. Nesses casos, o animal poderá ser sedado e o fármaco será aplicado diretamente no local da cirurgia.

A anestesia pode ser injetável ou inalatória. A inalatória é considerada mais segura por não precisar ser metabolizada pelo organismo para que ocorra sua ação. O fármaco é inalado e assim que a cirurgia acaba e o pet é tirado do aparelho pelo qual está inalando o anestésico, ele começa a voltar e logo está totalmente acordado. Isso faz com que o pós-operatória seja mais tranquilo.

Como o pet respira esse anestésico? Ele é entubado e durante todo o procedimento, um anestesista médico veterinário o acompanha para ver a sua reação e regular a anestesia conforme for necessário. É a mais segura para pets com problemas cardíacos, e por isso, é o mais indicado para ser escolhida em animais idosos ou que tem problemas no coração. Porém, nem sempre ela está disponível, pois ele pode precisar de no mínimo dois médicos veterinários durante a cirurgia, o equipamento necessário é caro, bem como o fármaco usado. Isso encarece bastante o procedimento cirúrgico, ficando muitas vezes, inviável de ser mantido em clínicas com menos movimento.

Já quando a anestesia a ser feita é a injetável, o fármaco é aplicado pela via intramuscular ou intravenosa. É o tipo de anestesia mais usada na medicina veterinária, pois tem menor custo e barateiam o procedimento, fazendo com que o proprietário tenha mais condições de agendar a cirurgia necessária. Há vários tipos de anestésicos injetáveis que são decididos pelo médico veterinário de acordo com a saúde do animal e com o tipo de procedimento a ser feito.

É essencial realizar todos os exames necessários antes da cirurgia, que irão avaliar as condições do rim, fígado e pâncreas, um hemograma completo e a dosagem de eletrólitos para garantir que o seu cachorro não está desidratado ou se sofre de um desequilíbrio eletrolítico.

Seguindo todos os cuidados e estando em alerta com seu pet, não há motivos para se preocupar com a anestesia.


Banner Blog

Loading...