As doenças mais comuns em cada raça de cachorro

09/05/2019
por Renata Brunelli
As doenças mais comuns em cada raça de cachorro

Os cães são uma das espécies de animais mais variadas do mundo. No entanto, a seleção de certas características termina acentuando alguns tipos de doenças e problemas de saúde em algumas raças. Nem todos os cães têm propensão às mesmas enfermidades,  por isso, vamos conhecer os problemas de saúde de acordo com a raça do animal. Isso vai ajudar o tutor a prevenir que certas doenças se desenvolvam ou piorem com o passar do tempo.

Buldogue inglês

Como todos os cães de focinho achatado, os buldogues podem sofrer de problemas respiratórios. As narinas pequenas, o palato mole alongado e a traqueia estreita, são algumas das condições que podem levar a uma emergência com risco de morte se ele ficar superaquecido ou exausto. É por isso que é importante manter os buldogues frescos no verão e nunca exagerar nos exercícios.

O macho é pesado e compacto. Já a fêmea tem uma pelve estreita e fina, o que torna o acasalamento uma missão quase impossível. Muitas crias só são viáveis via inseminação artificial: e a maioria dos partos é feita por cesárea, já que a cabeça do feto é muito grande.

Pug

Uma das principais características do Pug, o focinho achatado, é resultado de um processo de criação da raça. Como seu focinho foi selecionado para ser muito curto, o ar não tem tempo de resfriar antes de chegar aos pulmões. Isso provoca o aumento da temperatura corporal. Quando o cão faz atividades físicas intensas em dias muito quentes, a crise pode ser fatal.

Golden Retriever

Como acontece com muitos cães grandes, a cabeça do fêmur não se encaixa bem na bacia. O problema, a displasia coxofemoral, prejudica a mobilidade das patas traseiras. Também é comum o desgaste da articulação do cotovelo. Apesar de menos recorrente, outro problema comum aos Goldens que deve ser levado em conta é a catarata, já que pode causar cegueira. Dermatite, coceiras e machucados na pele também são observados.

Dálmata

É a raça mais atingida por surdez. Até 30% dos dálmatas ficam surdos de um ouvido e 10% de ambos. E é possível prever quem será afetado: quanto maior a extensão da cor branca, maior a probabilidade de perder a audição.

Spitz – Lulu da Pomerânia

O Lulu é o campeão em deslocamento de patela (a rótula). Cerca de 40% dos cães têm uma patela que vive saindo do lugar, o que provoca dor e artrite. Também é comum a degeneração progressiva da retina e catarata, que pode levar à cegueira.

Pastor Alemão

Os pastores que competem em exposições têm a anca mais baixa que a cernelha (ponto mais alto das costas). Por isso, sofrem problemas nas articulações e perdem a coordenação nas patas traseiras, que se abrem como se fossem de um sapo.

Rottweiler

Assim como o Golden Retriever, o Rottweiler é um cachorro de grande porte e sofre com problemas articulares. Displasia do cotovelo e artrite são os principais problemas observados nos exemplares da raça. A hereditariedade pode trazer problemas cardíacos, como a malformação do coração. Para evitar os problemas articulares, cuide do peso do animal, mantendo-o sempre dentro do indicado. Andar em terrenos acidentados e pular grandes alturas não é indicado. Em relação aos problemas cardíacos, o animal deve ser acompanhado por um veterinário especializado e de confiança. 

Shih-tzu

Doenças oculares e renais de origem hereditária são as mais comuns nessa raça. As oculares são úlcera de córnea, atrofia da retina e olho seco. As renais são malformação dos rins e pedras nos rins. O cachorro também pode sofrer com o deslocamento de patela. Faça consultas de rotina com um veterinário de confiança para identificar possíveis problemas de saúde e poder tratá-los antes que alcancem estágios avançados.

Buldogue Francês

Esse cachorro também tem o focinho achatado, o que o faz apresentar problemas respiratórios parecidos com o de seu "primo" Pug. Tome muito cuidado para que seu Buldogue Francês não sofra com a hipertermia. A hemofilia, função anormal de plaquetas no sangue, também pode afetar esse animal, causando dificuldade de coagulação e hemorragia interna e externa. 

Maltês

Síndrome de Little White Shaker, esta condição de nome engraçado é exatamente o que parece: tremores em cães pequenos que são brancos (embora cães com outras cores de pelagem também possam ter). É causada por inflamação no cerebelo, que causa tremores que podem ser tão graves que o cão mal consegue andar. Mas a boa notícia é que é tratável com corticosteróides, não é doloroso para o cão, e geralmente desaparece depois de algumas semanas.

Vale reforçar que os problemas de saúde citados acima são apenas os mais frequentes, ou seja, não significa que o seu cachorro não terá ou que não possa apresentar outra doença. Por isso, esteja sempre atento ao seu animal de estimação e se perceber qualquer coisa diferente, procure a ajuda de um veterinário. 


Banner Blog

Loading...